Dia de chuva.

Dia de chuva.

Ao longo da semana me vejo mais próximo de entrar em uma igreja e ficar sentado naqueles enormes bancos de madeira, sentindo o cheiro de vela e coisa velhas, ouvindo cada mínimo movimento provocar eco, de preferencia num momento meio vazio com uma ou outra velha introspectiva em sua fé ou idade, mas não iria afim de me encontrar com deus ou algo do tipo, isso é, apesar de tudo nunca me esqueci como rezar, mas não tenho vontade, é como se todos até os mais devotos do meu tempo odiassem deus, lá no fundo, por que ele não veio a ninguém, e todos precisam inventar cada vez mais manifestações insoles ou provocações cada vez mais inovadoras e pecados mais imprudentes numa tentativa mutua e subconsciente de conseguir uma reação dele que nunca vem.
Mas minha vontade de estar dentro de uma igreja vem da ideia de que cada imagem ou cada palavra com entorno divino remete a algo errado, como se ao esculpir uma imagem reproduzida do filho de deus o artista, incapaz de reproduzir tal divindade, estaria cometendo um pequeno ato de blasfêmia em nome da fé, uma pequena contradição dentre varias outras.
E as imagens são sempre cheias de expressão, como se cada uma estivesse atingindo um nirvana através de sacrifício, sofrimento humano ou sem razão especifica, me parece que cada pedaço de pedra esculpida tem póros e quem sabe se eu focar muito nisso posso acreditar que estejam suando, nada divino, ao contrario, muito humano, um esforço humano do artista resultando na máxima projeção de algo divido por uma pessoa, e mesmo assim continua sendo apenas humano. Vai ver que deus não sabe o que faz ou não se importa, e assim é tão humano quanto cada um de nos.

Uma coisa de que não tenho certeza, um céu estrelado, um dia frio, uma noite voltando pra casa e por que você não está colado no meu corpo?
Eu mal havia me acostumado com a sua presença e já me perdia na rua, me pegava sorrindo sem mentalizar nenhuma palavra , nem uma imagem se quer.

Por que a gente se apega a tanta coisa pequena, por que nossas neuras e medos nos engolem?

Agora tenho aquela sensação que há algo errado em algum lugar, mas procuro e não encontro, talvez seja apenas falta ou o habito de nunca estar satisfeito.
Fico com aquela ideia que vi em filmes, que deve haver uma palavra unica que dita uma vez muda o mundo, ou que encostando o ouvido num auto-falante quebrado a gente pode ouvir o som de deus.